Condomínios e Residenciais

A conta de energia elétrica pode representar de 12 a 30% das despesas de um condomínio residencial. 
 
Fatores como o tamanho da propriedade, o número de equipamentos elétricos e, sobretudo, a maneira como as instalações são utilizadas pelos condôminos interferem diretamente nesse percentual. 
 
Ações de economia resultam em diminuição de consumo e interferem diretamente nas despesas, sem, contudo, diminuir o conforto e os benefícios. 
 
Eliminar desperdícios e melhorar a eficiência no uso da energia são os meios necessários para alcançar economia. Sensibilizar os condôminos, substituir alguns equipamentos e instalar dispositivos de controle são algumas das ações práticas para o uso eficiente da energia elétrica:

 

Em geral, os equipamentos e setores de uso comum com consumo de energia mais significativos nos condomínios são: iluminação, elevadores, bombeamento d'água e aquecimento central de água.

 

Conheça algumas medidas para reduzir o consumo de energia em áreas comuns, tais como: garagens, corredores, hall social, salão de festas, jardins, sala de jogos etc.  
 
> Use a iluminação natural, abrindo janelas, cortinas e persianas 

> Desligue as lâmpadas de ambientes vazios, salvo por motivos de segurança.  

> Limpe regularmente luminárias, lâmpadas e demais aparelhos de iluminação.  
 
> Substitua os difusores das luminárias que se tornarem amarelados 

> Substitua as luminárias quebradas ou antiquadas por outras mais eficientes, de fácil
limpeza e com lâmpadas expostas.  

> Quando a decoração do local não for importante, retire o acrílico e o globo das
luminárias 
  
> Não use lâmpadas de bulbo (vidro) fosco dentro dos globos. Use lâmpadas de bulbo
transparente. O globo e a lâmpada fosca diminuem o ofuscamento, mas absorvem uma parte da luz emitida pelo filamento 
  
> Lâmpadas incandescentes embutidas no teto provocam aquecimento excessivo e diminuem a vida útil da lâmpada pela falta de ventilação adequada.  

> Coloque a lâmpada mais para baixo e reduza a sua potência. Ex.: troque as lâmpadas de 100W por 60 ou 40W.  

> Em locais onde houver muitas lâmpadas acesas, verifique a possibilidade do desligamento alternado.  

> Se uma garagem subterrânea possui luminárias com lâmpadas fluorescentes sendo comandadas em grupo, instale interruptores individuais para o desligamento das lâmpadas.  
  
> Na garagem, ilumine as áreas de circulação dos veículos e não a dos boxes.  
  
> Rebaixe as luminárias instaladas entre as vigas do teto da garagem.  
  
> Ao desativar uma ou mais lâmpadas fluorescentes, desligue também o reator.  
  
> Onde for possível, use uma única lâmpada de maior potência, ao invés de várias de
potência menor.  
  
> Pinte as paredes dos corredores, escadas e halls dos elevadores com cores claras.  
  
> Em áreas externas (jardins, estacionamentos etc) utilize lâmpadas de vapor de sódio a alta pressão, que fornecem mais luz, com menor consumo de energia. Instale também fotocélulas ou temporizadores para o controle da iluminação.  
  
> Utilize somente lâmpadas de voltagem compatível com a voltagem da rede da CEB (220V). 

 

A minuteria é um dispositivo elétrico que permite manter acesas, por um período definido de tempo, as lâmpadas de ambientes como: corredores de andares, garagens etc. 
 
Esse sistema pode ser instalado nas versões coletivas ou individuais. Ao acionar os botões de comando da minuteria, o modelo coletivo liga as lâmpadas de alguns (ou todos) os
andares ao mesmo tempo. No modo individual, cada lâmpada recebe um comando separado e são ligadas individualmente. 

 

Tomando-se como base um prédio de 10 andares, com 2 lâmpadas incandescentes de 60 Watts por andar, funcionando 12 horas por dia, no período noturno
 
 > Minuteria Coletiva:  

> Após as 22h, quando o movimento do prédio decresce, não se justifica manter acesas todas as lâmpadas. O mais racional é acendê-las somente no momento em que as pessoas chegam ou saem do prédio e, em seguida, apagando-se automaticamente. Nesse caso, a instalação de uma minuteria coletiva permite uma economia de cerca de 67% na conta de energia 
 
> Minuteria Individual  

> Esse sistema é mais econômico que o coletivo, pois permite ligar a iluminação dos andares separadamente. A economia mensal é cerca de 83%.  
  
> Substituição das lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes:  
  
> As lâmpadas fluorescentes não podem ser ligadas diretamente à instalação elétrica, elas necessitam de um reator com starter ou, somente, de reator de partida rápida ou eletrônico. Nessa alternativa, a economia mensal é de aproximadamente 55%. 

 

Tomando-se por base uma garagem subterrânea, com 20 vagas, iluminada por 15 lâmpadas incandescentes de 60 Watts, funcionando 12 horas por dia 
 
> Instalação de Minuteria  
  
> A movimentação de entrada e saída de carros não é constante durante o período noturno, principalmente na madrugada. Por isso, não se justifica a permanência de lâmpadas acesas.
A instalação de uma minuteria representa uma economia de cerca de 67%.  
 
> Substituição de lâmpadas incandescentes por fluorescentes 
 
A utilização de lâmpadas incandescentes de 60 W por fluorescentes de 20 W resultam numa economia de 64% no consumo de energia. Utilizando-se fluorescentes de 40 W a economia poderá chegar a 70%. 

 

Para economizar energia e evitar um maior acionamento dos elevadores, com consequentes desgaste dos equipamentos, recomenda-se: 

 
> Chamar apenas um elevador.  
  
> Solicitar aos pais que orientem as crianças para não apertar todos botões do painel e não brincar no elevador.  

> Não sobrecarregar o elevador respeitando o número máximo de passageiros permitido. Havendo dois ou mais elevadores num mesmo hall, procure alternar o funcionamento deles, isto é, um atendendo aos andares pares e outro aos ímpares.  
 
> Para subir um andar ou descer dois, use as escadas.  

> Evite prender a porta do elevador, pois as pessoas que aguardam podem forçar portas e botões.  
 
> Aperte o botão de chamada uma única vez.  
  
> No caso de o elevador passar direto pelo seu andar é porque irá atender a outro, em um andar mais acima. Tenha calma e aguarde a sua vez. Os elevadores residenciais são
geralmente programados para atender chamadas na descida 

> Espere a porta da cabina abrir totalmente para depois abrir a porta do pavimento. Evite também apoiar-se nas portas durante a viagem.  

> Em casos de falta de energia elétrica, não tente sair do elevador sozinho. Espere ajuda, dessa forma a operação será inteiramente segura.  

> Nos horários de menor movimento e menor utilização, procure desligar diariamente e de maneira alternada um dos elevadores. 

 

Dispositivo que permite manter temporariamente acesas as lâmpadas de um ambiente, pois, ao detectar movimentos no ambiente, ele aciona automaticamente a iluminação. 
  
Existem diversos tipos no mercado, inclusive com preços reduzidos, o que constitui uma boa opção para evitar desperdícios com a iluminação. 

 

Para economizar gás ou energia elétrica em aquecimento de água você deve: 
 
> Manter em bom estado de isolamento térmico o aquecedor e a canalização que conduz a água quente.  
  
> Manter em bom estado de funcionamento os controles de água quente.  

> Regular periodicamente os queimadores ou maçarico do aquecedor de gás.  
 
> No verão, reduzir a temperatura de água do aquecedor.  
 
> Evitar lavar área de serviço, cozinha e banheiro com água quente.  

> Na cozinha, em pia com uma cuba, lavar em duas etapas. Inicialmente, desengordurar a louça com a cuba cheia de água quente e, em seguida, enxaguar com água quente.  

> Na cozinha, em pia com duas cubas, encha uma cuba com água quente, desengordure as louças e utilize a outra cuba para enxaguar. 

 

Caso sua conta de luz, além do consumo normal, apresente também valores de consumo em "kVARh EREX", cuidado! Você pode estar com um "ladrão" de energia em sua instalação.
 
Essa cobrança excedente aparece devido ao baixo fator de potência, conhecido pelo consumo de "Energia Reativa" além dos limites estabelecidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. 
 
As principais causas do baixo fator de potência são: 
 
> Motores e transformadores operando "em vazio" ou com pequenas cargas.  
 
> Motores e transformadores superdimensionados.  
 
> Grande quantidade de motores de pequena potência.  
 
> Máquinas de solda.  

> Lâmpadas de descarga (fluorescentes, vapor de mercúrio, vapor de sódio etc) sem reatores de alto fator de potência.  
 
> Excesso de energia reativa capacitiva. 
 
A primeira providência para corrigir o baixo fator de potência é a análise das causas que levam à utilização de energia reativa. 
 
A solução passa pela racionalização do uso de motores eficientes, bombas corretamente dimensionadas e do sistema de iluminação, podendo, até, chegar à necessidade de instalação de bancos de capacitores. Consulte a CEB ou um técnico de sua confiança.

 

> Em caso de dúvidas, consulte a CEB.  
 
> Faça, periodicamente, um check-up em toda a instalação, examinando o estado de conservação e a limpeza de todos os componentes elétricos. 
  
> Alerte os condôminos sobre os acréscimos de carga nos apartamentos, principalmente quanto às redes elétricas internas que, freqüentemente, acham-se subdimensionadas devido à instalação de novos eletrodomésticos, não previstos na época da construção do prédio.  
 
> Recarregue anualmente os extintores de incêndio.  

> Teste, mensalmente, o estado de conservação das moto-bombas para incêndios.

 

Construa uma tabela de acompanhamento, anotando, mês-a-mês, o número de dias entre as datas de leitura do medidor, o consumo, o consumo médio diário e o valor da conta. Acompanhe as variações. 
 
Para aproveitar melhor essas informações, estabeleça um plano de ação que poderá ser o seguinte: 
 
> Inicie com medidas que não requerem  

> Oriente e divulgue informações aos condôminos sobre o combate ao desperdício de energia elétrica;  

> Coloque placas, avisos e cartazes em pontos estratégicos para estimular o combate ao desperdício de energia. 
 
Acompanhe o consumo de energia. Compare os valores de consumo antes e depois das medidas adotadas para o combate ao desperdício de energia elétrica. Não se esqueça de divulgar para os condôminos os resultados positivos.

 

 

 

Voltar

 



Voltar