Energia limpa: FAB assina convênio com a CEB para construção de usina solar

Cerca de R$ 4 milhões virão de recursos do Programa de Eficiência Energética da Aneel

 

 

A Companhia Energética de Brasília assinou nesta quinta-feira (09.01), no Ministério da Aeronáutica, um termo de cooperação com a Força Aérea Brasileira (FAB) para a construção de uma usina de células fotovoltaicas. Participaram da cerimônia o vice-governador, Paco Britto, o presidente da CEB, Edison Garcia, o diretor de Regulação da CEB Distribuição, Wanderson Menezes, o comandante da Aeronáutica, Antonio Carlos Moretti Bermudez e o chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, Carlos Augusto Amaral Oliveira.

 

O repasse de R$ 5.096.330,90 a fundo perdido (quando o recurso dado não precisa ser devolvido) será aplicado na compra de equipamentos para montagem de uma mini-usina de energia elétrica capaz de abastecer quase 100% da base aérea de Brasília.

 

A expectativa é de que, com a produção e consumo de energia solar, a FAB, responsável pela gerência da base aérea, reduza o consumo atual de energia elétrica em 98,7%, o equivalente a 1.741,54 megawatts por ano (MWh/ano). Além disso, espera-se que a execução desse projeto da FAB forneça subsídios importantes para a formulação de políticas públicas de combate ao desperdício de energia elétrica na administração pública, reduzindo a conta de luz do órgão e estimulando a produção de energia não poluente.

 

“O Programa de Eficiência Energética que vem sendo desenvolvido pela CEB cumpre seu papel de implementar as políticas públicas disciplinadas pela ANEEL. Essa política pública federal de incentivo à redução de gasto com energia elétrica, também prevê o incentivo na geração de energia limpa fotovoltaica”, explica o presidente da CEB, Edison Garcia.



“A CEB executou o programa em 2019, que resultou na aprovação dos projetos recebidos, inclusive o proposto pela FAB”, completou Edison Garcia.

 

As ações de eficiência energética previstas no projeto contemplam a substituição dos sistemas de iluminação (como a troca de lâmpadas de maior consumo por de LED), o condicionamento ambiental e aquecimento da água, além da implantação de uma mini-usina fotovoltaica, com potência instalada de 621,09 quilowatt-pico (kWp).

 

Brasília, 09 de janeiro de 2020.

 

 Outras Notícias...



Voltar